Cursos Online

O violão clássico e romântico (31/07 e 01/08)

O violão clássico e romântico (31/07 e 01/08) - Foto 1

O VIOLÃO NO PERÍODO CLÁSSICO/ROMÂNTICO - MÉTODOS, MÚSICOS E REPERTÓRIO

O Workshop irá abordar o violão no início do seu processo como instrumento moderno, com a padronização de 6 cordas simples, técnica idiomática para essa nova vertente, novas metodologias e novo repertório.

CONTEÚDO:

  • Processo de modernização do violão, com a padronização de 6 cordas simples, técnica idiomática para essa nova vertente, novas metodologias e novo repertório.
  • Análise do contexto histórico, demonstrando como a Espanha e a Itália e as cidades de Paris e Viena foram locais importantes para a difusão da performance do instrumento.
  • Apresentação das Formas Musicais condizentes com a mudança do Classicismo para o Romantismo.
  • Análise dos metódos dos espanhóis Fernando Sor e Dionísio Aguado e dos italianos Mauro Giuliani e Ferdinando Carulli e suas importâncias para o estabelecimento do violão como potencial solista e camerista na vida musical do período.

INFORMAÇÕES GERAIS:

  • Apresentação: Dr. Gilson Antunes // Intermediação: Profa. Juliana Oliveira
  • Data de realização: 31/7 e 1/8/2021 (Sábado e domingo)
  • Horário: 16:00 às 18:00 (Horário de Brasília) --> Carga-horária total de 4 horas.
  • Plataforma: Google Meet
  • Inscrições: até dia 30/07 às 17 horas.
  • Link: O link da aula será enviado aos participantes no dia 30/07 às 18 horas. Caso alguém não tenha recebido até às 19 horas, favor entrar em contato pelo e-mail contato@virtuosi.mus.br
  • Disponibilidade: As aulas serão ao vivo, mas serão gravadas e ficarão disponíveis para os alunos por 3 meses através do Google Drive.
  • Certificados: O aluno receberá um certificado de frequência em até 1 semana após o término do curso.
  • Preço: R$ 170,00
  • Compra através do Pagseguro pelo botão abaixo:

GILSON ANTUNES

Gilson Antunes consolidou-se no cenário do violão como um hábil e versátil instrumentista. Seus projetos artísticos singulares possuem sua própria narrativa e buscam lançar uma perspectiva inusitada sobre a literatura para violão e a arte da interpretação desse instrumento. Estudou na Guildhall School of Music and Drama (Londres - Inglaterra), possuindo no Brasil graduação em música e pós-graduação em Artes. Entre seus professores estiveram nomes como Giácomo Bartoloni, Fabio Zanon e Robert Brightmore. É professor do Instituto de Artes da UNICAMP desde 2015, onde leciona Percepção Musical, Música de Câmara e Violão Clássico.

Ao longo de mais de 30 anos de apresentações em recitais, bem como gravações em áudio e vídeo, Gilson Antunes vem recebendo reconhecimento de crítica e público. Seu extenso repertório compreende autores entre John Dowland e Frank Zappa, criando uma conexão entre a arte sensível da interpretação para violão, mecanismo técnico bem focado e estudo musicológico fundamentado.

Paulista de Ilha Solteira, Antunes aparece regularmente em salas de concerto de 4 continentes (as três Américas, África, Ásia e Europa), em países como Cuba, Venezuela, Israel, Estados Unidos, Inglaterra, Espanha, Portugal, México, Argentina, Uruguai, Paraguai, Colombia, Venezuela, Bolívia e Peru, além das Ilhas Canárias e 4 regiões do Brasil.

Sua carreira como solista se iniciou em 1989, em São Paulo. Seus registros artísticos (texto, vídeos ou áudio) se delineiam através de um olhar histórico. Sua estreia em CD se deu com um álbum lançado em abril de 2000 com obras brasileiras dedicadas a ele, tendo recebido elogios de nomes como Osvaldo Lacerda, Sérgio Vasconcellos Corrêa, Edmundo Villani-Côrtes e Edino Krieger. Desde então, compositores de quatro países lhe dedicaram mais de 50 obras para violão (solo, música de câmara e 4 concertos para violão e orquestra), entre eles Willy Corrêa de Oliveira, Ricardo Tacuchian, Roberto Victorio, Edson Zampronha, Antonio Ribeiro, Marcus Siqueira, Maurício de Bonis, Paulo Tiné e Paulo de Tarso Salles, entre vários outros. Seus CDs seguintes foram “Obras para Violão de Américo Jacomino Canhoto (1889-1928)”, lançado em 2002, “Marcus Siqueira por Gilson Antunes”, gravado em 2009 e “Roberto Victorio por Gilson Antunes – Obras para Violão”, lançado em 2012, os dois últimos com supervisão dos próprios compositores.

Entre as gravações mais recentes de Gilson Antunes estão a participação em dois projetos humanitários lançados na Inglaterra com verbas destinadas a Anistia Internacional: “Panic Grass and Feverfew” (em homenagem às vítimas de Hiroshima e Nagasaki) e “Weiss Rose” (em homenagem a Sophie Scholl, estudante pacifista da resistência alemã, assassinada pelos nazistas em 1943). Nesses projetos foram gravadas obras de Victor Castellano e Maurício de Bonis.

As performances e gravações ao vivo de Antunes foram transmitidas no Brasil e exterior por vários veículos da mídia a partir de 1993. Desde o início da internet no Brasil (final do século passado) é também um nome constante nessa mídia. Na música de câmara, trabalhou com Celina Charlier (flauta), Caroline de Comi (soprano), Simona Cavuoto (violino) e Trio de Violões de São Paulo. Gilson Antunes é um artista D’Addario e se apresenta com violões construídos especialmente para ele pelos luthiers Cláudio Arone, Lucio Jacob e Carlos Novaes. É casado com a poetisa e artista plástica Selma Antunes e é pai de dois filhos, Liam e Alexey.